Opinião

voltar
  •  

    Perú: Oportunidade e desafio no sector logístico

  • Atualmente o Perú, assim como todos os países na América Latina, está a atravessar um período de desaceleração económica, com taxas mais moderadas de crescimento que em outras regiões, o que poderia fazer indicar que não é o melhor período para angariar novos negócios neste país.

    No entanto, há fatores que indicam exatamente o oposto. Em 2014 o PIB peruano cresceu a uma taxa de 2.35%, o segundo maior crescimento na América Latina, prevendo-se que em 2015 possa vir a assumir uma posição de liderança nesta área geográfica.

    O país goza de inumeráveis recursos naturais, uma notável abertura ao exterior, uma grande estabilidade económica e política e uma classe média emergente.

    Não obstante, o deficit de infraestrutura, fenómeno que ocorre na maioria dos países emergentes, é um dos principais problemas a ultrapassar para que a expansão da economia se consolide com bases sólidas que possibilitarão um maior crescimento do país. É justamente nestas "adversidades" que estão ou que poderão ser criadas múltiplas oportunidades de negócios.

     

    Desafio

    Existem problemas evidentes: Lima concentra quase toda a atividade económica do pais (mais de 50% do PIB peruano é gerado na região de Lima) e os custos logísticos no interior e na costa são extremamente elevados, essencialmente devido às deficientes infraestruturas. 

    Para além disto, os custos dos fretes para destinos intra-regionais são elevados, devido à baixa eficiência e qualidade dos transportes e os procedimentos aduaneiro, que ainda são considerados morosos em relação aos países ocidentais.

    No Perú podemos destacar como principais sectores de exportação (alicerces de sua economia) os sectores mineiro, pesqueiro e agrícola. No entanto, nos últimos anos e devido à crise económica mundial, as exportações têm vindo a sofrer um decréscimo continuo.
     

    Oportunidade

    O País está a apostar fortemente no investimento em infraestruturas, com um investimento previsto até 2016 de 13.000 milhões de eu­ros, que inclui a construção e renovação de toda a rede de transportes: estradas, portos, linhas ferroviárias e de metropolitano e aeroportos.
    Por outro lado, o Perú disfruta de situação geográfica privilegiada, no centro dos países da Aliança do Pacífico (Chile, Perú, Colômbia, México) e como via de saída natural da produção de  bens do interior do Brasil até à Asia.
    Para além de tudo isto, conta com o 3º porto com maior trafico de contentores de toda a América do Sul: o porto de Callao movimenta 1.856.020 TEU anuais.
    Por exemplo, no sector hortofrutícola existem grandes oportunidades pois a produção de frutas e legumes está desfasada (contra estação) de outros países produtores. Assim, nos últimos 5 anos triplicaram as exportações de frutas e legumes frescos nomeadamente: manga, abacate, uvas e espargos frescos.
    No contexto atual de ligações deficientes e sobrecustos logísticos que se vive no Perú, é essencial a eleição de um operador logístico adequado que cumpra um triplo objetivo: reduzir os custos, minimizar o tempo de transporte e coordenar todos os processos logísticos (one stop shop).

     

     

    Alan Almeida